domingo, 28 de março de 2021

 DATA PANDÊMICA: + de 300 mil mortos , vítimas do Genocida Psicopata e de seus asseclas. 


BRECHT ESCREVEU MELHOR DO QUE EU
Diante da população despejada em covas rasas,
eu me calei,
alegando que aguardava os acontecimentos, (mesmo
frente ao acontecido). Ora, não julgava o momento, propício.
Bradei então que me negava a dar murro em ponta de faca,
nem me exporia inutilmente ao sacrifício.
“Mas, se a luta valer a pena, estou atento, e lutarei”,
afirmava, tanto para os outros,
quanto para mim mesmo.
“Eu não sou comunista!”, disse ainda,
me afastando. E me aliviou perceber
minha fala lhes dando satisfação.
Diante dos fascistas invadindo cada vez mais minha vida;
e me privando, mesmo, de chance de vida,
também me calei, e procurei meus antigos argumentos
para justificar minha ação.
Mas, haviam sido todos levados, no roldão,
haviam sido estuprados, pelos mesmos
de quem tive medos e cuidados,
mas que, sem cuidado nenhum, me abriram as carnes
e arrancaram do meu peito meu já esvaziado coração.
Quem cala, sente?
Quem cala, não sente?
Quem cala, um dia, se arrepende?
Flavia Lopes, Ricardo Benevides e outras 5 pessoas
1 compartilhamento
Curtir
Comentar
Compartilhar

sábado, 6 de fevereiro de 2021

 



  • HOMERO: criador dos deuses, da Mitologia Grega,
  • do nosso imaginário
Ilíada e Odisseia são poemas compostos por um sujeito que ninguém sabe se realmente existiu – ou se os poemas foram reunião de diversos aedos (poetas mendicantes, que percorriam cidades, e cantavam seus poemas, acompanhados da lira, em troca de abrigo e comida). Caso tenha vivido, esse poeta era Homero (o nome quer dizer aquele que não enxerga, já que a tradição nos conta que era cego), que foi, segundo Aristóteles, o criador dos deuses gregos. E, considerando a influência que a Mitologia Grega teve em nossa cultura, desde a formação da cultura romana, descendente da grega, passando pelo Renascimento e diversos outros períodos fundamentais da civilização ocidental, Homero foi também aquele que criou nosso imaginário.
O curioso é que Homero não é o mais antigo dos poemas épicos, nem a Mitologia Grega, a mais antiga das Mitologias. Cerca de 3000 anos antes de Cristo, pouco mais de 2000 anos antes de Homero, na Suméria foi escrita a saga de Gilgamesh. Enquanto isso, no Egito anterior à época dos faraós, surgiam a escrita hieróglifica, e a Mitologia Egípcia. Por que, entretanto, nenhum desses, embora anteriores teve sobre a civilização ocidental a influência que teve Homero?
Há muitas respostas possíveis, e aqui vou arriscar uma. Mesmo não tendo sido composto por escrito – era poesia oral -, Ilíada e Odisseia foram criadas em grego (arcaico), uma língua que, em sua forma clássica, e já escrita, via Atenas e depois com a expansão do Helenismo de Alexandre, se espalhou pelo mundo, ainda em sua época.
Já os hieróglifos somente foram decifrados no século XIX, e A saga de Gilgamesh , escrita em cuneiformes, apenas no século XX. Ou seja, em comparação com o grego, as tragédias gregas, os filósofos como Aristoteles e outros gênios fundamentais de nossa cultura, os hieróglifos egípcios e os cuneiformes sumérios eram absolutamente desconhecidos. Sua leitura se perdeu na areia dos tempos e só retornou a nós, com limitações, graças ao trabalho de dedicados arqueólogos modernos.
Curiosidades da s histórias de QUE HAJA A ESCRITA, Editora FTD.

HOMERO: aventura Mitológica / Galera-REcord